InvestimentosJornada

7 sinais de que você precisa trocar de tipo de investimento

Por 24 de setembro de 2018 Sem comentários
tipo de investimento

7 sinais de que você precisa trocar de tipo de investimento

A zona de conforto, em qualquer aspecto da vida, não traz grandes crescimentos, não é? Se não reavaliarmos de tempos em tempos, se não arriscarmos em alguns momentos, não crescemos profissionalmente, não evoluímos pessoalmente. Quando o tema é investimento, essa análise é igualmente fundamental. Determinada modalidade, que em um momento, dentro de um dado cenário, foi extremamente rentável pode não ser igualmente interessante quando as condições se alteram, seja por um pacote econômico, seja por um novo cenário político. É preciso estar atento a novas oportunidades. Por isso, é preciso sempre se perguntar: está no momento de mudar meus investimentos? Fique atento aos sinais:

 

tipo-de-investimento-3-300x150 7 sinais de que você precisa trocar de tipo de investimento

7 sinais de que você precisa trocar de tipo de investimento

 

  1. Seu dinheiro está rendendo abaixo da inflação. Se os ganhos apresentados pela modalidade de investimento escolhida não garantem o crescimento do seu patrimônio claramente há alguma coisa errada na sua decisão. Avalie outras opções urgentemente.
  2. A Taxa Básica de Juros (Selic) está sofrendo grandes oscilações. Muitos investimentos são atrelados a esse índice, tais títulos públicos, como o LFT (Tesouro Selic); diretamente ligado diretamente à taxa;  o CDI, como  investimentos em CDB, Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), já que geralmente o CDI e a taxa de juros estão muito próximos. O investimento em ações, ao contrário das opções anteriores, fica menos interessante quando a taxa de juros aumenta, pois os preços costumam cair.
  3. Se a taxa administrativa cobrada pela instituição financeira está muito alta. Incontáveis vezes, o investimento parece vantajoso. Porém, a instituição financeira cobra uma taxa de administração tão elevada e acaba comprometendo os possíveis ganhos.
  4. A inadequação de prazo. Dependendo da aplicação escolhida, o tempo pode ser um aliado, pois quanto maior o prazo de imobilização, menores são as taxas e impostos, mas isso não vale para todas. E só é uma vantagem se for possível manter o dinheiro investido em longo prazo.
  5. Há mais a ser investido. Na hora de decidir ou mudar é bom levar em consideração o montante. Em certas aplicações, uma entrada maior pode significar uma taxa de administração baixa, como nas alternativas em renda fixa, por exemplo.
  6. A experiência adquirida. A partir do momento que se tem mais conhecimento ou se conta com a assessoria de um profissional que entende do assunto, se pode começar a considerar opções mais arrojadas, que podem render mais.
  7. A necessidade de diversificação. À medida que a sua reserva financeira aumenta, o conselho é diversificar os tipos de investimentos, o que dilui riscos e melhora a rentabilidade média.

Comentar na Publicação